Incidência de Aids entre os homens heterossexuais aumentou no estado de Alagoas

Todos os anos em 1° dezembro acontece o Dia Mundial de Luta contra a Aids. Em Alagoas, a campanha inicia nesta segunda-feira (26) e se estende até o dia 15 de dezembro. Com o tema “Não fique na dúvida, fique sabendo”, tem como objetivo conscientizar a população sexualmente ativa da importância do teste de HIV.

A gerente do Núcleo de Agravos Crônicos da Sesau, Monalisa Santos, explicou que ao longo dos anos devido ao prolongamento da vida de quem está em tratamento, fez parte da população banalizar a questão da Aids. “Infelizmente constatamos que a taxa de mortalidade tem aumentado, isso porque o teste é feito tardiamente, quando a doença já está avançada”.

Dados da secretaria mostram que desde 1986, quando houve o primeiro registro no estado, até julho deste ano foram detectados 2.579 casos em homens e 1.275 em mulheres. Em relação à média nacional de 20,2 casos a cada 100 mil habitantes; Alagoas está na 20° colocação no ranking nacional com 11,1 casos a cada 100 mil. Já no Nordeste, ocupamos a 4° posição, ficando atrás de Pernambuco, Maranhão e Ceará.

Durante a campanha a sede da Sesau estará com iluminação e um grande laço vermelho, símbolo mundial da campanha. No dia 02 de dezembro uma caminhada pela manhã na orla de Ponta Verde em Maceió marcará o Dia D e contará com a presença de profissionais de saúde, representantes de movimentos sociais, professores e estudantes. Além da instalação de quatro tendas: uma de prevenção com ações educativas, entrega de material, distribuição de preservativos, aconselhamento coletivo e atividades teatrais; outra com aconselhamento pós teste; a terceira com o Fique Sabendo com teste rápido de diagnóstico do HIV, Sífilis, Hepatite B e C e a quarta com vacinação contra Hepatite B, DT e Influenza.

Na capital e no interior também ocorrerão programações específicas. Em Maceió estão ocorrendo palestras nas unidades de saúde e em Palmeiro dos Índios panfletagem nas ruas.

Evolução da doença no estado

Dados da Sesau mostram que a incidência de casos aumentou na população sexualmente ativa de homens heterossexuais entre 30 e 39 anos. Outro ponto destacado é a proporção: no início eram 10 homens para uma mulher, mas atualmente esses números diminuíram sendo 2 casos em homens para 1 em mulher.

Monalisa Santos ainda mostrou que de 1990 a 2000 ocorreu o aumento da doença em 295%. Já de 2000 até o ano passado o número mudou para 117%. “As pessoas devem se prevenir, pois a Aids não escolha idade e nem classe social. E que façam o teste sem medo”.

Fonte: Primeira Edição